domingo, 10 de agosto de 2008

De Vinícius a Cummings


Depois dizem que mulher é vaidosa! Vaidosa nada, nós temos mesmo é um bom senso danado daquilo que é belo. Agora há pouco, eu revia algumas fotos e me deparei com uma que me deixou passada.

Todo mundo sabe o que aconteceu com meus cabelos há um ano, não é? Pois bem, só vendo as fotos tiradas antes daquele acidente é que dá pra ter uma noção do estrago. E que estrago! Dá desgosto até. Gastrite também. Isso sem falar na vontade de gritar. Olha, se não fosse a ajuda de tantos amigos, eu ainda estaria meio careca, infeliz mesmo! Obrigada a todos, by the way.

Mas, enfim, mulher (normal) quando cisma com alguma coisa está certa. Quando reclama da barriga, ela sabe do que está falando, gente. Só ela enxerga, mas ela sabe! Pode ser um botãozinho perto do umbigo, mas se incomoda... ela reclama e com toda razão. Não adianta tentar compará-la com alguém mais gordo só para provar que ela é lunática. A vida é dela, o corpo é aquele e quem lida com ele é ela. Portanto, melhor se por no lugar, lembrando das suas próprias paranóias.

Quando uma mulher se queixar das coxas, nem perca seu tempo em rebater: só ela sabe como é quando fica nua na frente do espelho. Ouviu uma reclamação sobre os seios pequenos (ou grandes), tríceps gelatinosos, orelha de abano, quadris largos? Melhor mudar de assunto. Nem dá pra discorrer sobre a importância da atividade física (quando é o caso), mudança nos hábitos alimentares, etc. Eu mesma tento, às vezes, bancar a conselheira natureba, mas, que mulher quer correr 10 km, 3 vezes por semana, para viver melhor, mais saudável, mais bonita? E trocar a coxinha por uma fatia de pão integral? Imagine, bobagem... Bom, mas, isso é outro assunto, melhor ficar, por ora, só com o visual.

O fato é que jamais uma insatisfação deve ser subestimada, seja ela física, emocional, social, whatever. E, pelasantapaciênciadobatman, que horror quando não tem solução! Nem cirúrgica??? Aí, é o fim da picada mesmo. O negócio é não esperar a moda virar a seu favor (a mídia pode não voltar a gostar do estilo boteriano nem esquecer as lindas madeixas da Gisele) e criar aquilo que a gente fala tanto: auto-estima poderosa. Só isso dá jeito. E, como diria E. E. Cummings , "torna grande cada diminutivo, faz o óbvio estranho, até que nós mesmos viremos mundos (magicamente)".

Um comentário:

Deborah Huff disse...

Oi Cáaaaaaa
Estou adorando seus textos, viu? sempre entro aqui para espiar ;) rs
adorei a fotinho com a taça de vinho! eu amooooo. Este fim-de-semana, aliás, eu bebi mesmo! rs
E viva o Merlot, o Cabernet Sauvignon, o Malbec! Qui dilícia! rs