segunda-feira, 18 de maio de 2009

Na boa fogueira


Novidade na minha vida não é coisa rara, não. Acostumada que estou com as mudanças , já nem me assusto tanto, mas sempre me ponho a pensar sobre. Nos últimos dias, por exemplo, eu percebi o quanto eu havia esquecido uma vaidade sutil, aquela fina manta que a gente atenta quase sem querer, mas que distingue pelo gosto apurado. Não é sobre a vaidade do ego que falo, essa não tem cura, já desisti, faz parte da humanidade, seja em que grau for.

É outra essa vaidade que redescobri (com surpresa por ter perdido): é a vaidade do luxo, aquele que satisfaz o olhar e o tato só por prazer mesmo, mais nada.

Há tempos venho vivendo numa praticidade espartana a que eu própria me impus por pura necessidade de disciplina e segurança, senso de prioridade, organização, independência acima de tudo. A sensação que eu tenho, agora, é que construí um porto e que já é possível olhar para além da paisagem. É com um suspiro bom que me dou conta disso. Dá um alívio, sinto conforto, garantia. Tem um chão interminável à minha frente e é rico demais que seja assim: essa é a deixa para eu não me acomodar, nem me conformar ou resignar minha vida a direções que não quero. Meu destino é meu e essa direção é minha. Mas, não pensem que isso é egoísmo ou isolamento: os amores da minha vida são parte inseparável e sem a qual não há felicidade completa. O desafio é fazer disso sempre uma escolha, nunca falta de opção.

Depois desse presente reconhecido, eu me comprei alguns mimos lindos e gostosos: feliz aniversário Acácia, o mais atrasado, mas o mais absolutamente feliz. Como é que se pode querer parar assim?

Só pra terminar, recebi, pelo Twitter, a indicação do Sweet Jardim, da Tiê. É bem bonitinha a música dela, é pra deixar tocando enquanto se faz alguma coisa, cozinha, escreve, toma vinho, conversa. Me chamou a atenção a letra de "Dois", a composição é dela e do Thiago Pethit. Dá para ouvir o CD inteiro pelo endereço dela: www.myspace.com/tiemusica.

Olha que fofa:

Como dois estranhos,
cada um na sua estrada,
nos deparamos, numa esquina, num lugar comum.
E aí?
Quais são seus planos?
Eu até que tenho vários.
Se me acompanhar, no caminho eu possso te contar.
E mesmo assim, eu queria te perguntar,
se você tem ai contigo alguma coisa pra me dar,
se tem espaço de sobra no seu coração.
Quer levar minha bagagem ou não?

E pelo visto, vou te inserir na minha paisagem
e você vai me ensinar as suas verdades
e se pensar, a gente já queria tudo isso desde o inicio.
De dia, vou me mostrar de longe.
De noite, você verá de perto.
O certo e o incerto, a gente vai saber.
E mesmo assim,
Queria te contar que eu tenho aqui comigo
alguma coisa pra te dar.
Tem espaço de sobra no meu coração.
Eu vou levar sua bagagem e o que mais estiver à mão.

Um beijo, boa semana.

Um comentário:

Thais Lima disse...

Ai que delícia se sentir assim! Adorei tudo, a musica e o texto, como sempre.
Saudade e beijo!