terça-feira, 10 de março de 2009

Ai, 2009! e inspiração alheia




Há uns dias escrevi que 2009 havia começado como quem vai abrindo todas as portas de uma vez, chegou "chegando", sem perguntar nada. Talvez, depois de anos ruminando, o tempo tenha resolvido correr, prazo no limite, esperar pra quê?

Pois é, o interessante é que parece que todo mundo tem sentido dessa mesma forma. Amigos e amigas tem me contado que "de repente" tudo aconteceu, rompeu-se um lacre, um caminho sem volta foi tomado. Teve gente que mudou de emprego (parabéns Gabi!), gente que aceitou grandes desafios, gente que perdeu pai e tio queridos. Tem gente em grande dificuldade, mas com grande fé para sustentar, tem ficha caindo, gente levantando. É coisa demais.

Sem falar na crise do mundo, na indústria automobilística, na comunicação. Será que é mesmo aquela história do ano do boi que diz que é chegada a hora de colher o que foi plantado anteriormente? Eita mundo cheio de mistérios, viu...?

Uma vez eu li que o homem é capaz de ficar nadando num tanque a vida toda, indo e voltando, indo e voltando, entediado, mas incapaz de interromper o fluxo. Aí, vem a vida e joga um tubarão no tanque e o sujeito dá um pulo, reaprende a andar, fica ereto, seco, certo de que precisa ir a outro lugar.

Zona de conforto não tem nada de confortável: no fundo, no fundo, quando esse estágio se instala, a gente sabe que logo vem sacolejo. Quem é que fica no conforto assim? O problema é que, normalmente, a gente espera o limite do limite, aquele que se rompe na exaustão, quando não há mais nem ar para amansar o pulmão.

Ainda assim, eu concordo com Eisntein, quando ele diz que "a mente que se abre a uma nova idéia jamais voltará ao seu tamanho original" e isso só é possível durante uma crise. Nunca ouvi dizer que alguém tivesse tido um insight transformador numa fase molinha da vida. Ele também disse "os problemas significativos que enfrentamos não podem ser resolvidos no mesmo nível de pensamento em que estávamos quando os criamos".

Portanto, há que se ter criatividade, do tipo urgente, pois "insanidade é fazer sempre as mesmas coisas , esperando resultados diferentes ", Einstein também (estou ficando repetitiva?).

Gente, não tem segredo: época difícil pede calma, mas não preguiça. Vá lá, tenha boa vontade, programe-se, lance um objetivo sem medo. Como eu disse a uma amiga hoje, quando a gente tem foco num objetivo grande, a dor do caminho fica suportável, pois tem significado. O tempo passa e a dor a gente só lembra para se orgulhar de ter seguido, apesar dela.

A vida é uma delícia e eu "nunca deixo de ter em mente que o simples fato de existir já é divertido." (Katherine Hepburn)




3 comentários:

Lu disse...

Ah... como te vejo em diferentes formas...
altaneira... suave... bela.
Da janela do meu quarto, vejo-te Acácia.
Compartilho contigo teus estágios
em diferentes mutações das estações.
Perpassam em meus pensamentos
teus valores religiosos,
tua tradição e teus inúmeros símbolos.
Ao contemplar-te recordo do que representou
a arca da aliança, a coroa de espinhos.
Ainda, aquele que foi plantado
no túmulo de Hiran e
todo o pensamento judáico-cristão.
Símbolo solar de
renascimentos e imortalidade.
Ao olhar-te percebo a tua fortaleza
ante as vicissitudes da vida.
Sinto tua sede quando todas as tuas folhas
tombam no inverno.
Compreendo que te despes
para adubar as plantinhas
que nascem ao teu redor e deixar,
por algum período,
que o sol as revitalize com a tua energia.
Estou sempre a reverenciar-te e,
muitas vezes, com sentimentos de gratidão
e misericórdia;
outras, com ternura, amor e esperança.
Procuro aprender contigo
as lições da perseverança e da
obediência às leis naturais
que vem transmitindo através dos tempos.
Aos poucos estou entendendo,
com o teu exemplo, que é preciso saber
morrer para renascer
a cada estação, a cada emoção,
a cada encontro,
a cada decepção,
e a cada sonho.

(Autoria: Alice Capel)

vc conhecia?

bjs

Sílvia disse...

Estava pensando sobre o seu Blog de ontem e sobre as previsões de 2009... este ano tá pesado porque não dá mais para evitar que temos que assumir responsabilidade pelo nosso próprio eu interior, pelo nosso desenvolvimento, e nem disfarçar que estamos fazendo isso... tem que ter humildade para aprender, e aceitar que é um processo contínuo ...não tem férias ;) A gente, às vezes, tenta postergar o aprendizado, mas às vezes, a vida não dá muita chance para isso...

Por Gabriela Athayde disse...

Mudanças, medos, conquistas, desafios, testes, aprovações, reprovações, novos amigos, velhos amigos, novos amantes, antigas lembranças. Eita 2009 danado!! Estou adorando!!! Beijo e fico sempre honrada de ser citada em seu belo Blog.