quinta-feira, 9 de julho de 2009

Amor entre almofadas


Em plena festa bacaninha, duas amigas me pegaram para Cristo. Uma me chamou de "defensora de homens", por fazer o papel de advogada do namorado dela quando há uma crise no ar. A outra comprou a ideia prontamente e nem houve como argumentar.

Então, como por aqui eu falo e ninguém me interrompe... vou me explicar:

1. não faço defesa de homens porque eles precisem. Faço porque mulher tem a incrível mania de achar que homens são safados e fazem tudo de caso pensado. Isso é, obviamente, falso, né? Homens são como nós: sensíveis e confusos, mas expressam isso diferente, porque nós somos diferentes!

2. uma pessoa ausente precisa de alguém que aponte o que, talvez, seja o seu ponto de vista, não?

3. ao defender o namorado de uma amiga na verdade estou defendendo a própria! Adoro histórias de amor e quero que ela seja feliz. Seria bom que visse as coisas por outro ângulo (menos da vítima, mais do humano. Eu sei como são essas coisas e ter alguém para nos clarear ajuda um bocado);

4. sou romântica mesmo, não tem jeito. E acredito que todo mundo queira ser feliz (inclusive os homens, pasmem), mas que alguns vícios são difíceis de serem rompidos (os nossos, então!). Haja cuidado e companheirismo pra gente conseguir. Vale a pena, vale mesmo.

5. por último, dependendo da fase do mês... nós, mujeres, podemos nos sentir bem carentes, mais frágeis do que o comum e com a memória bem confusa. Moços, nesses períodos, defenda-nos de nós mesmas, please...

"a felicidade, meu amor, tem a temperatura do teu colo
a chuva a fechar a noite,
os cobertores a aquecerem-nos o coração,
o meu cansaço, a tua mão no meu cabelo.
O mar podia entrar agora pelo chão da sala,
invadir o sofá, que nem assim eu acordaria."

(Andréia, de Portugal)

* Distant Dreamer no título

Um comentário:

Gabi Athayde disse...

Hahaahaha
Eu lembro desse papo!!! rsrsrs
Depois tb vou explicar meu ponto de vista ...rs
Bjs