quinta-feira, 9 de outubro de 2008

Navegantes da garoa

"Desveste o coração das plumas e dos pesos da existência

Deste portal em diante só existem paisagens:

os riscos esboçados dos pórticos do olhar

Neles não cabe ciência, sequer filosofia, mas o simples gozo de vagar."

Esse é um poema chamado "Ao Navegante", da Angélica Torres. Tem tanta gente fazendo coisa boa que é um desperdício deixar de olhar, nem que seja por alguns minutos. De alguma forma, essas belezas ficam registradas nos canto da alma e nos socorrem quando precisamos de um pouco de conforto. Ainda mais vivendo aqui, nessa banda cinza do Brasil, em tempos sem sol e sem descanso.

Mesmo com céu fechado e tudo, congelando com os 11º C de ontem e no meio daquele mundaréu de gente da avenida Paulista, eu assisti uma São Paulo maravilhosa. Aqui tem trânsito, barulho, poluição e um tempo que ninguém aguenta. A gente nunca sabe o que vestir: é verão em pleno inverno, inverno na primavera, duas ou até três estações no mesmo dia. Haja saúde. Mas, aqui também tem, e é aí que está a delícia dessa plaga, diversidade, energia, agilidade. Requinte.

A qualquer hora, por onde quer que se olhe, alguém trabalha para nos garantir alguma comodidade: fármácias, cafés, táxis, ônibus, barraquinhas de lanche "express", bancas de jornais, atendimentos virtuais. Isso sem falar no trabalho que ninguém vê, aquele povo que faz a manutenção da vida subterrânea, que garante a limpeza das antenas, dos arranha-céus, e faz a cidade acordar com cara de quem nunca dorme.

São Paulo respira mal, mas garante academia funcionando 24 horas por dia. A cidade pára em congestionamentos de 3 dígitos, mas, nela, voa-se mais do que em NY ou Tóquio: Sampa é a capital mundial de helicópteros. Aqui, na terra da garoa, qualquer um pode comer um hotdog prensando em plena avenida Faria Lima a R$ 1,00. E aqui também é possível gastar, num bom jantar, alguma coisa entre R$ 200,00 e... difícil dizer até onde. Se algumas garrafas de vinho chegam a US$ 50 mil, imagine o restante da conta.

Viver nesse lugar é habituar-se às sirenes, mas, sobretudo é aprender o tempo inteiro. Num mundo de informação incansável, São Paulo não perdoa quem desconhece a modernidade. E faz sofrer quem não procura alternativas boas, baratas e rápidas: a galera padece mesmo em filas e perde um tempo danado se não for antenada. Aprender aqui é garantia de aprender em qualquer lugar. Navegar aqui é garantia de navegar em qualquer lugar.

A paisagem de São Paulo encanta, sim. Aqui cabe ciência, filosofia e também o gozo de vagar.


Um comentário:

Luca de Melo disse...

ei, moça, mesmo assim pode vir nos visitar,
ribeirão também é terra boa!
bjs