sexta-feira, 20 de novembro de 2009

Amigas: mais sobre as fêmeas


Amizade daquelas que todo mundo fala, para todos os momentos, para o que der e vier, etc é coisa rara, mas, acho que pra isso tem família (que, digam o que for, é para tudo) e o marido/ a mulher.

De resto, amizade pode ser de todas as formas, desde que leal, que tá valendo. Amizade só de bar, amizade para estudar, amizade para chorar as pitangas, amizade para gargalhar: o que vale é reconhecer o tipo e não cobrar o que cada um não pode dar (pelo menos não até que possa).

Especificamente falando da amizade entre mulheres, existem alguns mitos chatos. Dizem que mulher é invejosa, competitiva, falsa, e por aí vai. Quando eu era criança, tive lá minhas amiguinhas, coisa de escola e brincar de bicicleta. Acho que a gente não tem muita noção nessa fase.

Na adolescência a coisa complicou bastante: foi difícil mesmo ter uma turma de amigas. Começa a fase dos namoricos e, de fato, era uma ou outra que se mantinha por perto. Existia, sim, uma ciumeira e era por coisa tão boba! Acho que cresci a partir daí com essa crença de que é raro ter amiga e foi demorado entender que isso é tão tolo quanto qualquer outra generalização.

Comecei o bem-querer depois de adulta e tive boas amigas desde então, e tenho ainda hoje. Amigas queridas, solidárias, cuidadosas, cada uma a sua maneira. Gosto de saber que tenho outro feminino caminhando comigo, entendendo as coisas com os mesmos hormônios que eu. Só a gente sabe como é ter tanta variação no mesmo minuto ;) Mais do que isso, é feliz não conviver com a antipatia gratuita, nem rejeitar uma pessoa pelo medo de competir com ela (isso é doentio, não é?).

Hoje, só me afasto de alguém quando essa pessoa me faz mal (no sentido de trazer uma carga incompatível com a minha). Não gosto de gente ressentida, nem arrogante, nem desrespeitosa, seja homem ou mulher. Gosto de gente que ama, fértil de coisa boa, que sorri, é educada de coração. E tenho amigas e amigos fantásticos assim, o que me faz pensar que, de alguma maneira, eu melhorei, fiquei mais amiga também.

Não concordo de forma alguma com Vinícius de Moraes quando ele diz que "eu poderia suportar, embora não sem dor, que tivessem morrido todos os meus amores... mas enlouqueceria se morressem todos os meus amigos!", simplesmente porque os amores verdadeiros também são amigos e só podem ser amores se assim for. A amizade precisa permear todas as relações, senão, nas faz sentido. Mesmo as de trabalho. Já viu como é chato trabalhar somente pela burocracia da coisa?

Gosto mais desse trecho de Oscar Wilde:

"Escolho meus amigos pela alma lavada e pela cara exposta. E para saber quem eu sou, pois os vendo loucos e santos, bobos e sérios, crianças e velhos, nunca me esquecerei de que normalidade é uma ilusão imbecil e estéril."

E deixo a pauta para o próximo post: existe gente normal?

2 comentários:

Hildete Barros disse...

Totalmente normal não existe, todo mundo tem um pouco de loucura, q/ para mim é coragem, coragem de falar o q/ pensa, coragem de fazer o q/ quer, coragem de enfrentar situações absurdas, enfim, coragem para enfrentar medos e angústias , etc, etc. bjs.

Augusto Branco disse...

Molto bono, bebê!rs

Quanto a Vinícius, ele tem perdão por que é poeta, e poeta pode dizer qualquer bobagem, desde que seja dita com o coração.rs

Agora, quanto à tua última pergunta...

Costumo dizer aos meus amigos:
Não tente ser normal. Nunca ninguém conseguiu!
- À parte isto, você pode conseguir qualquer coisa!!rs