domingo, 14 de março de 2010

A vida me venceu


Minha vida deu um giro de 180º. Isso é igual a novidade todo dia, gente, trabalho e atividades novas to-dos-os-di-as. Eu já até desisti de me importar com isso, ou me preocupar, ou me enlouquecer, achar que não dou conta. Acho que entendi que a vida será para sempre assim: nada de acomodações e, quer saber? eu dou conta, sim.

Chega um momento em que a gente vê tanta oportunidade e tanta lição que acaba se envolvendo mais com tudo e, claro, envolvimento gera compromisso, que gera responsabilidade, que gera atitude. Aí, com a vida tão ocupada, algumas coisas escapam um pouco. Como escrever nesse blog é minha terapia, eu vou achar um jeito de voltar à frequência que eu gostava tanto;) Ainda me pego com os textos prontos durante uma corrida, ou enquanto saio de lá pra cá, ou só de olhar uma cena corriqueira. Mas, e para parar e registrar? Tem coisa que parece até que vai derreter se eu me mexer para escrever, aí eu fico quietinha, só olhando.

Acima de tudo, minha vida tem sido de emoções (meio Roberto Carlos mesmo), das grandes e boas. Acho que alguma coisa muito importante me aconteceu em 2009, muita ruptura e conceitos e padrões que não funcionavam mais para a minha felicidade foram destruídos (lembra da letra de Halo?). Isso tudo causou uma dor enorme, como todo parto causa. Mas, como tudo pra nascer e acontecer precisa de processo e conclusão, foi assim comigo também.

O que tem acontecido nesse 2010 é resultado da procura que sempre me moveu e move e, sobretudo, do desejo imenso, e, enfim, encontrado. Por isso me emociono feito criança com cenas de encontro e reencontro: parece que é só assim que as coisas nascem de fato. Não há nada, nenhum caminho, nenhuma felicidade ou herança na solidão. Tudo que é fruto nasce de dois, nasce de compartilhar, de trocar, de se envolver, de consentir, de torcer, vibrar, entregar. De deixar o outro entrar, conviver, dividir, participar.

Não há mais em minha vida uma hora sequer sem alguém por perto. Isso, que tanto me assustou pela vida inteira, tem sido uma benção - no sentido budista da palavra, se houver, é claro :) É por isso que eu vivo chorona ultimamente. A vida me venceu. E (pra ficar bem brega mesmo), quem ganhou fui eu.

Beijos, boa semana a todos.

3 comentários:

Wanessa Lopes disse...

Life, oh life, oh life, oh life...tchu, tchu, tchuru...rs
Que bom que a vida tá cheia de novidades e das boas.... isso é muito bom!
Bjs e boa semana

Fabricio Pessoa disse...

Er... não acho que a vida lhe venceu, my love. Acho apenas que seu amor está de mãos dadas com sua vida...

Bjos, e fico feliz de ler essas palavras...

Julimar Murat disse...

Olá
passei por aqui e me encantei com o seu blog.
Vou estar sempre dando uma passadinha. Venha conhecer o meu cantinho.
Um abraço
Julimar