quinta-feira, 7 de abril de 2011

Viver a vida

Há dias estou digerindo alguns acontecimentos e conversas recentes. Dentre os mais marcantes, as mortes do nosso ex vice-presidente, José de Alencar, e da bela Cibele Dorsa me fizeram prestar atenção a coisas que naturalmente jugamos saber. Fiquei me perguntando o que diferenciou tanto o final da vida de cada um dos dois: Alencar viveu até o último segundo dos seus quase 80 anos lutando para viver. Cibele não quis, apesar o vigor dos seus 36.

A conclusão a que cheguei, apesar de parecer tão óbvia, é que os únicos bens que nos mantém "vivos", com vontade de viver, são o afeto conquistado ao nosso redor e o forte propósito de construir nesse mundo uma marca pessoal de valor.

Ouvi de pessoas que conheceram José de Alencar que ele era "uma simpatia", bem humorado, firme em sua honra, justo. Sua esposa, d. Mariza, quando soube que ele estava com câncer, fez uma promessa: nunca mais usaria suas jóias (que ela adorava) para que seu marido vivesse mais. Segundo amigos do casal, era comum Alencar dizer para a esposa "deixa de bobagem, Mariza, você adora suas jóias!", mas ela foi firme. Nunca mais usou sequer um anel. Com tanto amor e cuidado assim ao redor, quem é que pode querer morrer?

Já da Cibele, pouco se sabe sobre sua vida. Mas eu fui lá no Twitter dela pra entender um pouco como ela se sentia ultimamente. Parecia uma vida muito oca, superficial, a não ser pelo sentimento que a unia ao noivo , Gilberto Scarpa, que se suicidou aos 27 anos pela mesma janela. Um relacionamento doentio: ela, frágil e imatura demais com pinta de bacana, e ele, usuário de drogas, dependente de tudo, inclusive dos aplausos furfles! de quem mesmo???

Por isso, é brega para um monte de gente mas a verdade é a seguinte: a vida só tem sentido com um forte laço de união famíliar, de amor, amizade, propósito social, dignidade. Gente, tá na hora de reconquistar ou construir essas coisas, né? Quem tem, preserve. Quem não tem, construa! Se sente fraco? Procure ajuda, please! Tá forte, bacana? Ajude. A-ju-de. Pode ser importante demais para alguém.

Um beijo

Um comentário:

Fabricio disse...

Não tem nada de brega não, linda. São valores que se perderam, e que precisam mais do que nunca ser regatados.

Torço pra que a internet possa ajudar a mudar essa história. Será?

Bjos mil !