quinta-feira, 14 de abril de 2011

Eu não!



Outro dia, um amigo que conheço há bons 15 anos, me disse pela 2ª vez: "tu devias ser psicóloga". E eu, que já tive essa vontade quando era adolescente, agradeci enormemente por ter seguido outro rumo.

Desde que me entendo por gente sou essa massa questionadora. Nunca tive resposta satisfatória para pergunta alguma, a não ser que a vida faz sentido e vale a pena sempre. Por isso é que eu disse ao meu amigo: se eu fosse psicóloga, enfermeira, médica, cientista política, filósofa ou afim, já teria enlouquecido. Seria um estímulo super-super-extra carregado para uma mente tão inquieta quanto a minha.

Eu preciso mesmo é desse trabalho gostoso, leve, que fala de beleza e auto-estima. Assim, com essa distração boa que ainda me remunera ( ;-) ), eu tiro um pouco o pé do chão, me encanto com as cores, fotos, shows e novidades do "mundinho" fashion. Mas, engana-se quem pensa que esse mundo não é sério. É sério e muito! Além disso, é um universo caro, que coloca nosso país no 3º lugar do ranking do mercado. Quem me conhece sabe que não me caberia viver sob qualquer tipo de irresponsabilidade. Eu trabalho bastante, mas trabalho feliz, pois equilibro bem meus estímulos e não carrego nada de negativo do trabalho para casa.

Portanto, querido amigo, nada de psicologia. Meus pequenos palpites sobre a vida ficam entre amigos e está bom demais ;-)

Beijos

Nenhum comentário: