quarta-feira, 18 de agosto de 2010

O inverno virando primavera


Eu voltava do almoço ontem quando passei em frente ao novo posto de gasolina da rua. Há mais ou menos 1 ano o local estava abandonado e tinha sido invadido por moradores de rua, fumantes ilícitos e usuários de outras tranqueiras ilegais. Lembro que tinha receio de passar por lá quando a noite vinha caindo, tinha sempre muita bebida e ouvia muita bobagem a medida que chegava perto. Eu me perguntei várias vezes quando é que alguém compraria aquele terreno e o transformaria em um café, ou supermercado, floricultura, sei lá. O importante é que o local tivesse função, deixasse de ser tão perigoso e abandonado.

E eis que ontem, depois da inauguração do posto, a paisagem era diferente: tudo muito claro, cores alegres, ambiente amigável, movimento de quem trabalha, energia boa essa de vida acontecendo saudavelmente.

Aí, claro, me bateu um sentimento daqueles pararelos, sabe?, de quem tem mania de pensar na vida até quando olha pra lanterna do carro. Pois bem, fiquei eu elucubrando sobre quantas vezes a gente passa por situações sombrias, achando que nada nunca vai mudar ou que está demorando demais para. E a gente tem medo, desconfia, duvida, chora. Mas, a verdade é que no contínuo caminhar, sempre atento e cuidadoso, bem intencionado, jamais desprezando o levantar e o coração da verdade, a gente acaba construindo um posto novo, desses clarinhos, que dão sentido à passagem.

Muitas vezes compreendemos mal e julgamos assim também. Somos mal compreendidos na mesma medida e somos igualmente ferozes no julgar. Tudo isso pesa, de uma forma ou outra, e influencia o dia. Mas eu acredito, mesmo mesmo, que se a intenção é honesta e boa, uma hora ou outra tudo se clareia, aos poucos, porque é assim que vira sólido. Nada repentino tem bases confiáveis. Segurança mesmo, confiança, conquista-se no convívio, na demora de um dia difícil ou na alegria daquelas bobagens que se diz quando o dia está leve.

O fato é que nenhuma dor e nenhum medo são eternos. Sobrevive quem se rende a eles. Vive quem desafia.

"O inverno nunca falha em se tornar primavera" (Nitiren Daishonin)

Um comentário:

Tahiana Andrade disse...

Quanto tempo que eu não passo por aqui. Todavia, quando passo, sempre me surpreendo com o que leio... gostando de tudo o que o blog oferece!

Beijos