sexta-feira, 18 de novembro de 2011

A vida para viver

Ouço todos os dias a queixa de que a vida é curta. Mas, ontem, pensando e pensando, cheguei a conclusão de que a vida é longa. Viver 80, 90 anos nos dá tempo suficiente para aprender e aproveitar a vida. O problema é que demoramos a aprender a viver e, quando finalmente começamos a aprender, a vida já está no fim. Aí fica a sensação de que não houve tempo para aproveitar, para saborear o que foi aprendido. Parece que não houve tempo para curtir a vida.

Ninguém acerta sempre. Não é humano acertar sempre. Mas arriscar tudo por qualquer coisa é ter uma miopia gigantesca na alma. Alguns riscos são importantes e enxergar a longo prazo ajuda a escolher os que valem a pena correr. Não é saudável atropelar os anos e todas as pessoas, fazendo coisas como se não houvesse consequência para cada escolha. Viver não é passar de ano.

Fiquei imaginando quais seriam as pequenas regras de ouro para uma vida melhor e longa, no sentido de "vivida de verdade, com valor". Certamente a lista é enorme, mas selecionei algumas que tem me ajudado. Talvez elas possam ajudar mais alguém também.

Seja educado: um sorriso, ou um "bom dia/tarde/noite" pode ajudar bastante em qualquer relacionamento, nem que seja os "burocráticos", aqueles do guichê de alguma coisa, ou pelo telefone para esclarecer alguma dúvida. A pessoa do outro lado da mesa (ou do telefone) também tem uma vida, problemas e alegrias. Isso é sério.

Seja gentil: em qualquer situação. Se estiver além das suas forças naquele momento, seja, pelo menos, educado. Não empurre e, se empurrar, peça desculpas. Não tente ganhar 30 segundos no dia passando na frente de alguém, pois isso não vai alterar seu horário, mas certamente trará uma marca de mau humor ao seu dia e uma úlcera depois de algum tempo.

Não traia: trair amigos, colegas de trabalho, alguém da família, marido ou esposa é uma fonte de estresse tanto para você quanto para quem é traído. Corrói o coração (dos dois) e traz rupturas irreparáveis. Juro que falar a verdade, abertamente, mesmo que doa no começo, é a melhor maneira de manter o carinho das pessoas. A regra é a mesma se você tiver dúvidas, se sentir inseguro ou deseja algo que é do outro. Diga a verdade, sempre. Funciona.

Não use palavras para ferir: algumas feridas nunca cicatrizam. Seja franco; cruel, jamais.

Coloque-se no lugar do outro: sair do próprio mundinho, povoado de orgulhos e picuinhas, pode ajudar a entender melhor qualquer situação.

Saiba que você não é o centro do mundo: as pessoas tem famílias, problemas no trabalho e milhares de outros assuntos importantes. Um olhar mais fechado nem sempre é por sua causa, compreenda.

Dedique-se de corpo e alma a alguém (ou a vários alguéns): isso é amor.

Cultive amigos: ninguém, absolutamente ninguém, é feliz sozinho. Entretanto, não junte-se a qualquer pessoa por medo da solidão.

Aprenda: não cometa aos 40 os mesmos erros que cometia aos 20 ou 30. Não combina mais.

Tente sempre acertar: mas quando errar, erre por uma boa causa. Imaturidade não é sinônimo de má intenção ou mau caratismo.

Trabalhe: seja útil, produza, contribua para o movimento do mundo.

Mantenha sua fé: mas saiba que fé sem atitude e sem mudança não transforma a vida.

E, claro, cuide da saúde: ela reflete seu amor pela vida. Engordar demais, beber demais, fumar, e todos os excessos prejudiciais são um lento suicídio. Mesmo que você interrompa um hábito ruim depois de 10, 20 anos, seu corpo já terá sofrido todos os estragos. A vida não é uma entidade que te trata bem ou mal: a sua vida é seu reflexo.

Um comentário:

Amanda Lemos disse...

Muito interessante o Blog,
Gostei muito do que vi por aqui.
E te convido para conhecer meu espaço, caso queira dar uma olhada, seguir..;

http://www.bolgdoano.blogspot.com/

Muito Obrigada, desde já.